sábado, 3 de agosto de 2019

Tubarão vence o Piauí por 4 a 1 e avança na Copa do Brasil Sub-17


Quem compareceu ao estádio Domingos Silveira Gonzalez neste sábado, viu mais uma grande partida da equipe sub-17 do Tubarão. O Peixe venceu o Piauí, por 4 a 1, e está classificado para a segunda fase da Copa do Brasil. Hyago, Jadson, Luis Eduardo e Eduardo Tanque marcaram os gols do tricolor da Vila. 
A partida marcou a estreia do técnico Alysson da Silveira no comando do Tubarão. Após um primeiro tempo equilibrado, que terminou em 0 a 0, Hyago abriu o placar do jogo na segunda etapa. O time do Nordeste chegou a empatar, mas Jadson deixou o Peixe novamente em vantagem, que ampliou ainda com Luis Eduardo e Eduardo Tanque.
O adversário do Tubarão na segunda fase será o Carajás. A equipe do Pará derrotou o Atlético Mineiro por 4 a 3 nos pênaltis e também se classificou. Os mandos de campo dos confrontos serão definidos em sorteio realizado pela CBF.

C. A. Tubarão

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Sub-15 - Inter vence Paraná e avança na Copa Vitor Isaías

De virada, o Inter bateu o Paraná por 2 a 1 na manhã desta quarta-feira, em duelo válido pela última rodada da 1ª fase da Copa Vitor Isaías Sub-15, disputado em Palhoça (SC). Luan May abriu o placar para os paranaenses, enquanto João Carlos e Gustavo Bagatini viraram para o Colorado. Com o resultado, o Celeiro de Ases encerrou a 1ª fase invicto e na liderança do Grupo C com sete pontos. Agora, o alvirrubro aguarda e definição dos demais jogos da rodada para conhecer o adversário das quartas de final. As partidas das quartas de final serão disputadas nesta quinta-feira.

O time treinado por Ariel Lanzini foi a campo com a seguinte escalação: Henrique, Lira, Gabriel Ribeiro (João Croti), Luiz Guilherme e Thauan Lara (Índio), Lukayan, Samuel (João Carlos), Robert (Diogo) e Varjão (Arthur); Gustavo Bagatini (Yan) e Daniel (Adriel).

Tabela de Jogos

1ª fase

22/07 - Inter 0 x 0 São José
23/07 - Caxias 0 x 6 Inter
24/07 - Inter 2 x 1 Paraná

Quartas de final

25/07 - Inter x PSTC

Por Sport Club Internaciomal

Áudio de Sérgio Baresi revela terceirização da base do Guarani pela Magnum

Tal medida, porém, é contra o estatuto do clube e exige aprovação do Conselho e da Assembleia de Sócios

Não bastassem os problemas acumulados pelo Guarani dentro das quatro linhas, lanterna na Série B do Campeonato Brasileiro e com apenas uma vitória em 11 jogos, novas denúncias contra à atual administração, comandada por Palmeron Mendes Filho, vieram à tona nesta quarta-feira.

Um áudio vazado do treinador do sub-20, Sérgio Baresi, nas redes sociais, compromete o atual grupo político bugrino. O profissional confirma que as categorias inferiores ao elenco principal estão terceirizadas pela Magnum.

O mais grave: em caso de sucesso do atleta em campo, a empresa assume o passe, deixando ao time de Campinas o encargo de arcar com as despesas para a manutenção da categoria.

Em síntese, se o atleta tiver condição técnica, com possibilidade de reverter dinheiro em transferência, terá os direitos econômicos vinculados à Magnum.

Tal situação acontece no Brinco de Ouro há cerca de 18 meses e é complemente ilegal e contra o estatuto do clube. Afinal, qualquer tipo de terceirização tem a necessidade de aprovação do Conselho e da Assembleia de Sócios.

ELEIÇÕES NO DOMINGO

Neste domingo, acontecem as eleições para o Conselho Deliberativo, a partir das 9h. Na disputa, há três chapas: 'Nova Jornada', 'Renova Guarani' e 'Hoje e Sempre Guarani'.

A primeira é composta pelo atual presidente do Conselho de Administração, Palmeron Mendes Filho, e aliados, ou seja, o grupo político da situação e que defende os interesses da Magnum.

A segunda, por sua vez, é situação em relação ao mandatário bugrino e é tida, nos bastidores, como a responsável por evitar um processo de impeachment.

A terceira, por fim, é efetivamente a única de oposição e que apoia soberania do clube em relação à Magnum. Um dos líderes deste grupo é o ex-presidente Horley Senna.

Áudio disponível na página:
https://m.futebolinterior.com.br/noticias/audio-de-sergio-baresi-revela-terceirizacao-das-categorias-de-base

por Agência Futebol Interior

Atlético Tubarão realiza peneira para a modalidade feminina de futebol

O Peixe disputará o Campeonato Catarinense Feminino Sub-17

O Atlético Tubarão fará, no dia 4 de agosto, às 9 horas, uma peneira de futebol feminino em campos próximos ao estádio Domingos Silveira Gonzalez. A avaliação será para meninas com idade entre 15 e 17 anos.

O Peixe disputará o Campeonato Catarinense Feminino Sub-17, com estreia prevista para setembro. As jovens interessadas deverão levar documento de identidade, atestado médico, chuteira e uniforme para treinamento.

Por Rafaela Custódio

terça-feira, 5 de março de 2019

Ex-presidiário cria clube de futebol para salvar crianças do crime em bairro violento do leste de Londres

Hackney Wick FC já disputou a Copa da Inglaterra e assiste mais de 170 pessoas da comunidade

Bobby Kasanga diz que era bom de bola. Rodou por alguns clubes das divisões mais baixas do futebol inglês, mas viu o sonho de virar jogador profissional parar atrás das grades. Depois de duas prisões por roubo e um total de oito anos na cadeia, decidiu que mudaria não só a própria vida, mas dos jovens da comunidade em que foi criado. Nasceu assim o Hackney Wick FC.

Hackney está em processo de revitalização, mas ainda é um dos bairros mais violentos da zona leste de Londres. Sofre com a ação de gangues, e 36% da população vive na pobreza. Para evitar que outros jovens seguissem o caminho do crime como ele, Bobby decidiu criar o clube de futebol um mês depois de cumprir a última pena, em março de 2015.

Em quatro anos de existência, o time semiprofissional já disputou duas vezes a fase preliminar da Copa da Inglaterra. Nesta temporada veio a primeira vitória na competição. Está no equivalente à 10ª divisão na pirâmide do futebol inglês.

- Estraguei minha carreira porque me envolvi com gangues, crimes com faca. Enquanto eu estava na prisão eu percebi quantos jogadores talentosos estavam na prisão desperdiçando o potencial. Eu decidi que, uma vez fora, eu criaria um time de futebol para dar a essas crianças uma plataforma esportiva e para ficarem fora das ruas e longe de problemas.

Bobby foi atraído pelo mundo do crime porque queria ter tênis da moda iguais aos do irmão, que já estava envolvido com gangues. Só na segunda passagem pela prisão ele se deu conta de quão errado era o caminho que tinha tomado. Encarcerado, perdeu os primeiros passos e palavras da filha mais velha. Decidiu que era hora de mudar.

Ainda na cadeia fez cursos sobre criminologia e política social e escreveu dois livros. Em liberdade, bateu de porta em porta pedindo doações para custear a formação do clube. Conseguiu o aluguel das quadras por metade do preço junto à subprefeitura e deu início ao projeto, que hoje atende 170 crianças e adolescentes em 18 times masculinos e femininos, desde a base ao profissional. Ninguém recebe salários, só ajuda de custos.

- Se formos subindo na liga e conseguirmos mais financiamento, ficaremos felizes em pagar nossos jogadores. Mas ao mesmo tempo estamos felizes onde estamos pelos aspectos sociais. O clube de futebol tem grandes ambições, mas o mais importante para nós, além dessas ambições, é manter os jovens ocupados. Se eu, um criminoso condenado, posso sair da prisão e começar meu próprio clube e em menos de quatro anos fazer isso, o que vocês podem fazer com ficha limpa?

Todos são bem vindos para integrar o projeto. Na esperança de tirar as crianças das ruas, mesmo quem não vai bem na escola tem a chance de participar. Mas é preciso dar uma contrapartida e contribuir com a comunidade. Não se trata de dinheiro, mas de trabalho voluntário.

- Pode ser alimentar um sem teto, ir a um abrigo de idosos, a um hospital. Todas essas coisas, tirar os garotos locais das ruas dando a eles atividades positivas. Se eles fizerem essas coisas podem vir e jogar futebol.

Isso vale também para quem, assim como Bobby, tem uma condenação nas costas. Platini tem 27 anos e passou um ano na prisão. Hoje está em liberdade condicional e usa tornozeleira eletrônica. Durante o dia trabalha como carpinteiro na construção civil, e à noite treina no clube.

- Bobby é um grande exemplo, um grande líder. Ele também esteve no crime, nas gangues. Ele nos guia, nos ensina a ir na direção certa.

A iniciativa cada vez mais ganha reconhecimento público e foi visitada pelo prefeito de Londres, Sadiq Khan. No ano passado, Bobby recebeu um prêmio de reconhecimento especial do "Orgulho do Esporte", evento organizado em parceria do Jornal Daily Mirror e do Sport England, órgão governalmental equivalente ao Ministério do Esporte.

Por Helena Rebello e Rogerio Romera — Londres, Inglaterra

segunda-feira, 4 de março de 2019

Ponte Preta reativa categorias Sub-11 e Sub-13

Avaliações da garotada serão em março, com um dia exclusivo para alunos das escolinhas da Macaca e outros cinco dias de peneira geral

As categorias SUB11 e SUB13 da Macaca estão de volta! Com o objetivo de incentivar a criação de novos talentos desde cedo, as categorias de Base pontepretanas voltarão a ter times das duas faixas etárias. As primeiras avaliações - para nascidos de 2006 a 2008 - ocorrerão já na primeira quinzena do mês de março, na unidade Paineiras.

“No dia 9 faremos uma avaliação exclusiva para alunos das franquias das Escolinhas da Ponte, às 8 da manhã. Depois, de 11 a 15 de março, haverá uma peneira geral, em que todos os inscritos deverão comparecer diariamente das 14h30 às 17 horas. Nestes dias basta comparecer ao Paineiras, munido das documentações exigidas”, diz Fábio Barrozo, coordenador das categorias de Base da Ponte, que já havia antecipado a volta das categorias em dezembro do ano passado, quando chegou à Macaca.

Ele ressalta que os times menores jogarão em duas áreas simultâneas, Futsal e Futebol de Campo. “Ou seja, o mesmo time jogará na quadra e no gramado. Precisamos ressaltar, porém, que nessas faixas etárias não se cobra título: dos nove aos 13 a atividade é mais lúdica, é pra criança gostar de futebol, se enturmar com o esporte e a atividade em grupo. Já do SUB15 ao 23 é alto-rendimento, até porque o atleta já assina contrato de formação, passa a receber ajuda de custo, salário”, diz.

Para participar da peneira é necessário que os jovens atletas tragam atestado médico com validade de 180 dias, cópias de RG (tanto do atleta quanto do responsável) e preencher a ficha de inscrição fornecida no local. Estes documentos permanecerão com o clube. Atletas federados devem trazer atestado de liberação para participar do treino. As inscrições são gratuitas e nos dias de treino é preciso comparecer com shorts e meião pretos, e trazer chuteira soçayte. Os coletes de jogo serão fornecidos pela Ponte e é vetado o uso de camisas ou uniformes de outras equipes que não a Macaca.

Mais informações podem ser obtidas pelo email Paulo.cesar@pontepreta.com.br

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Veja a situação dos alojamentos das categorias de base dos 20 clubes da Série A

Quartos, número de atletas, laudos de permissão... Esporte Espetacular mostra a estrutura dos principais clubes brasileiros

A tragédia no Ninho do Urubu, que fez dez vítimas fatais, ligou o alerta: como é a estrutura da base do futebol brasileiro? Para mostrar a situação de momento, o Esporte Espetacular visitou os centros de treinamento dos 20 clubes da Série A.

Além disso, a reportagem conversou com Walter Feldman, secretário-geral da CBF. Para o dirigente, o momento é de "verificação profunda" nos clubes espalhados pelo país.

- Infelizmente um acontecimento dramático, trágico o que aconteceu, especialmente para esses jovens e as suas famílias. Estamos todos absolutamente consternados com isso. Mas talvez seja o momento de verificação profunda de como esses alojamentos são constituídos por esses clubes formadores. E isso nós pedimos, exigimos que os órgãos públicos, notadamente as prefeituras dessas cidades, realizem um trabalho junto com o Corpo de Bombeiros, de maneira exemplar, de excelência, para que esses clubes possam realizar as suas atividades de formação de jovens atletas - afirmou Feldman.

A BASE DOS 20 CLUBES DA SÉRIE A

ATHLETICO-PR


São 120 jogadores de base, entre 14 e 19 anos, de todo o país, que moram no centro de treinamento do Athletico-PR.

Os garotos dividem todas as dependências com os times profissionais, têm os mesmos médicos, fisioterapeutas e as refeições são feitas no mesmo lugar dos profissionais. Eles têm acompanhamento psicológico e são monitorados 24 horas por câmeras e profissionais. Só podem sair com autorização dos pais.

Hotel da Formação: voltado para atender os atletas das Categorias de Formação. Tem 25 apartamentos com capacidade para quatro pessoas cada.

ATLÉTICO-MG

O Atlético-MG abriga 105 jovens nos alojamentos da Cidade do Galo, onde os jogadores do time profissional também treinam e ficam alojados.

Na Cidade do Galo são 31 quartos - 120 vagas para atletas da base. Atualmente são 44 jogadores no sub-20, 33 no sub-17, 16 no sub-15, dois no sub-14 e mais dez em fase de teste.

A vistoria dos Bombeiros tem validade até outubro de 2019. O Alvará de funcionamento da Cidade do Galo está em dia, segundo a prefeitura de Vespasiano. Guilherme Neiva, gerente administrativo do CT, disse que o clube se preocupa com a questão estrutural da Cidade do Galo.

AVAÍ

O Avaí tem 44 garotos alojados na Ressacada, todos das categorias Infantil e Juvenil. Os atletas dos Juniores recebem ajuda de custo e moram fora do clube.

O clube tem todos os laudos do alojamento para os atletas da base. Os quartos ficam no estádio da Ressacada - ficam alojados embaixo das arquibancadas. Cada quarta recebe até quatro jogadores. O Avaí renova as licenças de prefeitura e Bombeiros todos os anos.

O clube tem uma equipe multifuncional com psicóloga, assistente social, vigia, nutricionista e outros profissionais voltados para o futebol da base. Ainda tem um projeto para ampliar e modernizar as instalações.

BAHIA

O Bahia tem 100 atletas nas categorias de base, sendo que 65 ficam alojados no clube.

Os alojamentos ficam no CT do Fazendão, no prédio da base, com 22 quartos, cada um com capacidade para quatro jogadores. Ao todo são três prédios: do futebol profissional, um do administrativo e um da base.

A Sedur já deferiu o Termo de Viabilidade e Localização (TVL) do Bahia, incluindo a atividade de alojamento e hospedagem. O órgão determinou como condicionante o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), a regularização das construções como o alvará de construção e o habite-se.

BOTAFOGO

As acomodações de alojamento somente são utilizadas em casos especiais de atletas de fora do estado ou em vulnerabilidade social. O clube possui um alojamento de pequeno porte com capacidade para até 16 atletas em General Severiano, além de instalações em Caio Martins utilizadas pontualmente pelas categorias menores, nos quais os jovens permanecem sob a supervisão de inspetores e são acompanhados de perto por uma assistente social.

De acordo com a assessoria do clube, a Sede de General Severiano apresenta toda a estrutura e documentação necessária para o seu funcionamento como alojamento principal do clube.

Para o alojamento do Estádio de Caio Martins, o Botafogo está envidando todos os esforços para atualizar a documentação. Os jovens alojados foram transferidos para General Severiano até a normalização. As instalações passaram recentemente por reformas para melhor atender os 8 atletas lá alojados. O Clube reitera ainda o seu compromisso em atualizar a documentação do Estádio para normalizar a situação.

Com a aquisição do terreno para o novo Centro de Treinamento, que se encontra em fase inicial de obras, o Botafogo avançará na questão estrutural, mas seguirá a metodologia já implementada para as suas categorias de base.

CEARÁ

Segundo o Corpo de Bombeiros, o centro de treinamento do Ceará, em Itaitinga, apresentava "completa ausência de medidas de segurança contra incêndio", na última segunda-feira, quando foi feita a fiscalização. O clube não possui laudos contra incêndio e pânico.

O alvará de funcionamento do CT do Ceará, em Itaitinga, venceu em dezembro e está em processo de renovação, segundo o clube. Ainda por assessoria, o Ceará afirma que o alvará do Estádio Vovozão, na capital cearense, está em dia.

O clube se pronunciou por meio de nota:

"O Ceará tem certificado de aprovação de projeto junto ao Corpo de Bombeiros (184156) datado de 27 de julho de 2018. Desde então, as instalações da Cidade Vozão, Centro de Treinamento das categorias de base do Ceará, passam por ajustes no intuito de atender às exigências estabelecidas pelo órgão fiscalizador. O tempo estipulado para o término das obras no CT de Itaitinga é de Abril de 2019. O Ceará busca atender todas os requisitos impostos por entidades de supervisão, pensando no bem-estar e segurança de todos os funcionários do equipamento. Com 19 apartamentos, a Cidade Vozão tem capacidade para atender, hoje, 76 atletas. Atualmente, 40 atletas estão alojados nas dependências do CT".

CHAPECOENSE

O alojamento da base fica próximo a Arena Condá. Tem capacidade para 50 garotos e, atualmente, recebe 48.

A Chape afirma que está com a situação regular, mas se recusa a mostrar os laudos/alvarás. Segundo eles por orientação do jurídico.

A vistoria no local foi feita no dia 12/2/2019 pelo Corpo de Bombeiros. Até essa data não havia nenhum tipo de alvará de funcionamento, nem projeto aprovado, nem habite-se. Nada estava regularizado com o corpo de bombeiros.

Após a vistoria, que foi solicitada pelo Corpo de Bombeiros, a Chapecoense fez um plano de regularização da edificação. Foram instalados os sistemas preventivos considerados vitais e foi emitido um atestado de funcionamento provisório para edificação em regularização.

De acordo com esse plano de regularização o clube tem prazo de até um ano pra apresentação de um projeto preventivo contra incêndio e pânico, aprovar e executar o projeto para então solicitar uma vistoria de habite-se.

A Prefeitura de Chapecó afirma que a situação está regular e disse que não disponibilizará o documento, porque é responsabilidade do clube. Segundo os bombeiros, para que haja a emissão do alvará da prefeitura, é preciso o alvará dos bombeiros. Até o dia 12/02/2019, não havia alvará dos bombeiros. Logo, antes disso também não estava regular com a prefeitura.

Após a publicação da reportagem, a prefeitura de Chapecó entrou em contato e comprovou o habite-se do local, datado de julho de 2018.

CORINTHIANS

O Corinthians, até o momento, utiliza imóvel alugado no bairro do Tatuapé, próximo à sede no Parque São Jorge. A Casa dos Atletas pode abrigar até 35 jogadores, mas não tem o laudo de segurança específico do Corpo de Bombeiros para abrigar adolescentes, conforme informação publicada pelo "Uol Esporte" e confirmada pelo GloboEsporte.com.

O laudo de segurança atual foi emitido quando o imóvel ainda era ocupado por uma clínica odontológica e não é válido para funcionar como residência. O clube alega que vai regularizar a situação em dez dias e afirmou que não pretende tirar os jogadores de lá. O clube não confirma o número exato de atletas alojados na casa.

O Corinthians ainda não finalizou o centro de treinamento para as categorias de base. A estrutura, anexa ao CT Joaquim Grava, dos profissionais, terá três campos oficiais e um menor de grama sintética, além de prédio para alojar até 170 atletas a partir de 14 anos e arquibancada para 1.500 pessoas, e departamentos médico, de fisiologia, fisioterapia e hidroterapia integrados, segundo o projeto.

O CT, lançado em 2011, custará R$ 25 milhões no total. Já foi promessa de gestão dos presidentes Andrés Sanchez, Roberto de Andrade e Mário Gobbi.

CRUZEIRO

A categoria de base fica alojada na Toca da Raposa I, conhecida como Toquinha. O CT foi construído em 1973 para abrigar os profissionais (que hoje treinam na Toca II). Segundo o clube mineiro, 35 jovens jogadores moram no local.

A reportagem tenta, desde o último oito, entrar na Toquinha para fazer imagens dos alojamentos e dos documentos do Corpo de Bombeiros e da Prefeitura de Belo Horizonte. Porém, a entrada não foi permitida. Também não foram apresentados os Alvarás de funcionamento e o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros pelo clube.

Procurada, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio de nota, informou que não encontrou em seu sistema o Alvará de funcionamento da Toca I. Em entrevista a TV Globo, Maria Caldas, secretária de política urbana da Prefeitura de Belo Horizonte, confirmou que o clube não possui Alvará e o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB).

Segundo ela, um processo educativo, de notificação sobre vistorias e irregularidades foi feito com todos os clubes de Belo Horizonte, mas que agora foi necessária uma vistoria conjunta da Prefeitura e Bombeiros na Toca. Maria Caldas afirmou que, se for identificada necessidade pelo Corpo de Bombeiros, a Toca I pode ser interditada.

O prazo para ocorrer a regularização será realizado depois da vistoria e de um acordo com o Cruzeiro. Nesta quarta-feira, os Bombeiros realizaram uma visita programada à Toquinha. A direção do clube foi procurada para comentar sobre o assunto, mas não atendeu aos telefonemas. A assessoria de comunicação do clube, por volta de 14h30 (de Brasília) da última quarta-feira, se manifestou, e disse que irá tratar internamente junto aos órgãos responsáveis e que irá se pronunciar posteriormente.

CSA

O CSA, desde dezembro, fechou toda a base do CT do Mutange, não havendo mais nenhum atleta amador por lá.

O clube iniciou uma procura por um novo local em janeiro. De acordo com Omar Coelho, vice-presidente executivo do CSA e responsável pela base, as negociações são recentes.

O Berço do Azulão ficará no Município de Marechal Deodoro, conhecido também como o Berço da República, e servirá de alojamento para os atletas sub-20 e sub-17. Isso para aqueles que não residam em Marechal ou Maceió.

FLAMENGO

Até antes da tragédia, o Flamengo alojava cerca de 60 jovens, entre 14 a 17 anos, em módulos habitáveis feitos de contêineres dentro do centro de treinamento.

No local também funcionava uma escola em um dos contêineres que teve as aulas suspensas e será desativada pelo clube.

O Ninho do Urubu não tem alvará do Corpo de Bombeiros e licença da prefeitura. O clube corre para atender as exigências do Ministério Público do Rio de Janeiro para regularizar o CT.

FLUMINENSE

O clube tem um alojamento com capacidade para 90 atletas. Toda a estrutura é de alvenaria. São dois andares com quartos para dois ou quatro jovens.

Em Xerém há cerca de 300 meninos atuando nas categorias de base. Atualmente são 45 meninos alojados, mas a média de alojados ao ano é de 70 meninos.

O Fluminense conseguiu no início desta semana o laudo da vigilância sanitária. Segundo o clube, demorou porque não tinha planta de Xerém, que só ficou pronta há três semanas. Com isso, o Tricolor conseguiu alvará provisório de funcionamento para o CT de Xerém.

Possui laudo dos bombeiros atualizado e com validade até 2023.

FORTALEZA

Segundo o Corpo de Bombeiros, o centro de treinamento do Fortaleza, em Maracanaú, apresentava "completa ausência de medidas de segurança contra incêndio", na última segunda-feira, quando foi feita a fiscalização. O clube não possui laudos contra incêndio e pânico.

O Fortaleza não disse nada sobre o alvará: "Qualquer questão sobre o assunto, só vamos falar após o prazo do Ministério Público".

O clube se pronunciou por meio de nota oficial:

"Fortaleza Esporte Clube comunica e vem destacar os procedimentos realizados quanto às suas categorias de base, como também, as providências que estão sendo tomadas para qualificar ainda mais as condições dadas aos garotos que são alojados pelo clube".

GOIÁS

A Casa do Atleta, alojamento das categorias de base que fica dentro do CT do Parque Anhanguera, tem 16 apartamentos com 40 leitos. São 34 garotos atualmente no clube, espalhados pelas categorias sub-15, sub-17 e sub-20.

O Goiás tem parcerias com escolas da região e cursos de inglês. Faz o transporte dos atletas do CT para as escolas.

Não possui laudo do Corpo de Bombeiros. O clube emitiu um comunicado e afirmou que está tomando as devidas providências. A prefeitura informou que o Goiás entrou com processo para regularizar a Casa do Atleta.

GRÊMIO

Os jogadores das categorias de base do Grêmio ficam hospedados em um prédio chamado de Residência Esportiva, em Eldorado do Sul (Região Metropolitana de Porto Alegre), nas imediações do CT Presidente Hélio Dourado, exclusivo da base. O local era um antigo motel, alugado e reformado pelo clube em 2014, quando o Grêmio concluiu a mudança do Olímpico para a Arena e desativou o alojamento que existia no antigo estádio.

São 36 apartamentos, que acomodam no máximo quatro jovens cada. Lá ficam hospedados jogadores das categorias sub-14 até a sub-20. Segundo o clube, os cômodos possuem banheiro completo, ar-condicionado, frigobar, TV por assinatura, internet, armários, poltronas e camas-beliches. O alojamento ainda conta com sala de jogos, jardim, biblioteca, laboratório de informática, videoteca, miniauditório e um restaurante terceirizado que serve todas as refeições.

Ainda segundo o Grêmio, o local é monitorado 24 horas por dia por seguranças e 25 câmeras de vigilância. Os jovens também são assistidos por tutores, pedagogos, assistentes sociais, psicólogos e médicos.

O Alvará de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (APPCI) está em dia, com validade até 27 de dezembro de 2019. O clube não tem licença de prefeitura em nome dele para o alojamento.

Nota da prefeitura de Eldorado do Sul: "Foi realizado vistoria ao local supracitado, onde foi identificado que o local não possui Alvará de Licença para funcionamento. Desta forma, notificou-se a empresa que terá o prazo de 30 dias (a partir de 13/02/19) para regularização, sob pena de multa e interdição. O prazo disponibilizado para regularização foi possível devido ao fato de que os atletas estarem em período de férias e o local estar desocupado no momento e ao fato do local possuir APPCI válido".

O que diz o Grêmio: "Existe um alvará de funcionamento válido deste local para a atividade de motel e/ou hospedagem em nome do proprietário do prédio e locador para o Grêmio do imóvel. O entendimento de outra administração era de que como não foi alterada a atividade fim hospedagem, e o imóvel não era do Grêmio e sim locado para a mesma atividade fim, que este documento era válido".

O Grêmio protocolou o pedido de mudança de titularidade. O Ministério Público, até o início da semana, não tinha achado nenhuma investigação ou processo em andamento contra o Grêmio por irregularidades no alojamento.

INTERNACIONAL

As categorias de base do Internacional treinam e ficam alojadas no CT Morada dos Quero-Queros, em Alvorada (Região Metropolitana de Porto Alegre) desde maio de 2012. O espaço pertence ao Pedrabranca Futebol Clube, mas foi locado durante a reforma para o novo Beira-Rio, que obrigou o clube a desativar o antigo alojamento da base. Ficam alojados no CT jogadores das categorias sub-15 até o sub-23, chamado de Inter B.

O alojamento conta com 20 quartos com capacidade para quatro pessoas, cada um com banheiro, ar-condicionado e televisão. O prédio também possuiu refeitório próprio, auditório para palestras, academia e área de lazer. A segurança é feita por monitores durante 24 horas por dia. Os jovens também contam com auxílio de médicos, nutricionistas, assistentes sociais e fisioterapeutas.

O Alvará de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (APPCI) está em dia, com validade julho de 2019. O clube também tem licença de funcionamento em dia.

O Ministério Público, até o início da semana, não tinha achado nenhuma investigação ou processo em andamento contra o Inter por irregularidades no alojamento.

PALMEIRAS

O CT da base do Palmeiras fica em Guarulhos. Atualmente, trabalha com mais de 200 atletas em suas categorias inferiores, no local chamado de Centro de Formação de Atletas.

O local conta com cinco campos em tamanho oficial com grama natural, campo específico para treinamento de goleiros, academia de ginástica, sala de fisioterapia, departamento médico, rouparia e local específico para os pais assistirem aos treinos.

Para hospedar os atletas, no entanto, o Palmeiras aluga duas casas no bairro da Pompeia, próximo à Arena Palmeiras. Com a exigência de laudos de segurança do Corpo de Bombeiros e alvará de funcionamento para abrigar atletas feita pela Prefeitura, o clube decidiu alojar os jogadores em um hotel até que cumpra as adaptações necessárias.

SANTOS

A maioria dos atletas que atuam na base são moradores de Santos e da Baixada Santista. Para os jogadores que precisam de alojamento, o Peixe possui duas instalações. A primeira fica no Estádio Urbano Caldeira, a Vila Belmiro, onde se hospedam as categorias sub-15 e sub-17. A outra é a Casa Meninos da Vila, imóvel localizado no bairro Vila Belmiro, onde os jogadores sub-20 moram. No CT Meninos da Vila, onde grande parte das categorias treinam, não há alojamento.

Segundo o Santos, a Casa Meninos da Vila, onde jogadores do sub-20 se encontram, ainda não possui o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros, documento que garante a regularidade das condições de segurança contra incêndio: "A Casa Meninos da Vila encontra-se em processo de regularização junto ao Corpo de Bombeiros, conforme protocolo de CLCB de número 037346-9/2019, aguardando vistoria final pelo Corpo de Bombeiros, para a emissão do competente Auto de Vistoria (AVCB). As instalações são de alvenaria, e contam com sistemas apropriados de acordo com a categoria de ocupação (extintores portáteis, iluminação de emergência, sinalização dos equipamentos e de rotas de fuga, e CMAR – Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento)."

Sobre os alojamentos localizados no Estádio Urbano Caldeira, o clube informou que o projeto foi aprovado pelo Corpo de Bombeiros, com o Auto de Vistoria válido até 13 de novembro de 2019. Mas no laudo apresentado na nota do clube consta "estádio de futebol" como ocupação e não informa que parte do estádio pode funcionar como residência: "O alojamento da Vila Belmiro consta do projeto técnico de prevenção e combate à incêndios do estádio, devidamente aprovado pelo Corpo de Bombeiros, com seu Auto de Vistoria (AVCB) válido até 13 de novembro de 2019. As instalações são de alvenaria, e contam com sistemas de detecção e combate à incêndios (detector de fumaça, alarme de incêndio, rede de hidrantes, iluminação de emergência, sinalização dos equipamentos e de rota de fuga, e CMAR – Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento)", informa a nota do clube.

SÃO PAULO


O Centro de Formação de Atletas (CFA), em Cotia, tem 230.000 metros quadrados, oito campos oficiais, sendo um deles em um mini-estádio com arquibancada para 1.500 pessoas, além de prédios de alojamentos para 110 jogadores e 148 hóspedes, todos de concreto.

O São Paulo enviou à reportagem o laudo de segurança emitido pelo Corpo de Bombeiros, diz ter o alvará da Prefeitura de Cotia, mas não apresentou o documento. O CFA foi inaugurado em 2005, há quase 14 anos. O AVCB consta como vigente até 15 de agosto de 2020.

O clube disponibiliza alojamentos apenas para atletas maiores de 14 anos, como determina a legislação. Neste momento, todas as categorias treinam no local, à exceção da sub-20, que está em férias até a primeira semana de março.

No CFA treinam as categorias infantil, juvenil e júnior. Todos os atletas da base são-paulina também recebem acompanhamento pedagógico, médico e odontológico. Além disso, o clube ainda mantém convênios com escolas da região e acompanha o desempenho escolar de cada atleta, que tem atendimento individualizado e aulas de reforço.

VASCO

A Pousada do Almirante, que fica em São Januário, comporta 13 quartos – 12 para as categorias menores (com duas bicamas em cada um deles) e um quarto que é o quádruplo do tamanho, com oito bicamas.

Em média, a Pousada do Almirante recebe de 40 a 45 jovens. Todos homens, a partir de 14 anos e até que completem 18 anos, das categorias de base do futebol (não tem alojados de outros esportes).

Ao longo de um dia, quatro monitores se revezam em esquema de plantão. Os garotos têm ainda, à disposição, três assistentes sociais, psicólogos (um para cada categoria – sub-15, sub-17 e sub-20), vestiário, sala de informática, auditório e copa.

No corredor que é área comum aos quartos, são quatro extintores de incêndio. Há outros dois extintores de incêndio na área de auditório e copa. Ao longo de toda a área, existem duas saídas.

Os atletas maiores de 18 anos (sub20) ficam em um prédio dedicado para hospedagem somente desses atletas. No entanto, nesse momento, esse prédio encontra-se em reforma.

De acordo com o Vasco, o clube possui licença dos bombeiros e alvará para o Complexo de São Januário como um todo. O alojamento faz parte do complexo.

Por GloboEsporte.com — Rio de Janeiro